fbpx

Chegada da primavera alerta para aumento das alergias respiratórias

Alterações climáticas como baixa umidade, variações de temperatura e níveis de poluição são diretamente relacionadas com o aumento das alergias na população e muito frequentes nas trocas de estação. A chegada da primavera, que acontece no dia 22 de setembro, levanta um alerta para o aumento das doenças relacionadas à estação, como rinite alérgica, asma, conjuntivite alérgica e catapora. Além das mudanças climáticas, a polinização, que é intensa nessa época, traz uma piora considerável para as alergias respiratórias.

Segundo o especialista em bacteriologia do LANAC, Marcos Kozlowski, na primavera o pólen das flores se propaga com maior facilidade e afeta diretamente pessoas que tem a rinite alérgica, por exemplo. “Espirros seguidos ou em crises, coriza aquosa e obstrução nasal são sintomas que também podem ser intensificados por outros alergênicos, como poeira, ácaros, fungos, entre outros”, explica.

No laboratório, é possível fazer testes para identificar qual alergênico desencadeia os sintomas da rinite. O RAST é um exame de sangue indicado para pesquisar a presença de anticorpos IgE (responsável pela alergia) para o elemento suspeito de provocar a alergia: o exame não identifica apenas alimentos, também pode ser feito para fungos, animais, ácaros, produtos químicos e alguns medicamentos. “O RAST determina quais substâncias tem maior risco de provocar a alergia. O resultado positivo deve ser analisado por um médico, em conjunto com outros fatores, para um diagnóstico de alergia”, explica Kozlowski.

O especialista lembra que ao conhecer o fator causador da alegria é possível fazer uma prevenção mais assertiva. “O médico poderá orientar o paciente com ações específicas para prevenir a crise alérgica, fazendo que com ela se torne mais espaçada e não atrapalhe o dia a dia do paciente”, explica.

Alguns hábitos diários, principalmente na primavera, são essenciais para evitar uma crise alérgica, como manter a casa arejada e limpa; evitar objetos que acumulem pó, como carpetes, tapetes, cobertores de lã, bichos de pelúcia; evitar o uso de vassouras e espanadores, para não espalhar o pó; e lavar as roupas de cama semanalmente, aspirando os colchões e mantendo limpa as capas de travesseiros, cortinas e mantas de sofá, por exemplo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: