fbpx

Projeto social resgata animais durante pedaladas em Passo Fundo

Eque tal unir uma atividade prazerosa a uma boa ação? O projeto social Ventos do Sul de Passo Fundo busca transformar a realidade de animais que se encontram em situação de rua, além de incentivar uma vida mais saudável para os voluntários da ação.

Atualmente, o grupo de resgate conta com a participação de cerca de 30 pessoas que se revezam para carregar os animais durante as pedaladas.

Uma das fundadoras da iniciativa, a empresária Luciane Von Borowsky, conta que o lema do projeto é nunca deixar ninguém para trás. “Todos os sábados temos pedaladas rurais, em locais com pouca circulação de pessoas e quase nenhuma habitação, onde as pessoas abandonam os bichinhos. São mãezinhas com seus filhotes, animais idosos ou doentes, deixados à própria sorte, sem água e comida, muitos completamente desnutridos”, comenta.

A empresária explica que várias pessoas dão apoio ao projeto, como aquelas que buscam os animais de carro, levam para a clínica ou no pet shop para tomar banho. As veterinárias que atendem sem cobrar ou as clínicas que fazem valores mais baratos e ainda aqueles que conseguem uma adoção ao indicar o animal para um amigo.

“A partir do resgate começa o trabalho de divulgação, para que as pessoas entendam como funciona o abandono. É importante que a população entenda o que o animal passou, os traumas que sofreram para poder compreender o porquê, muitas vezes, é demorada a adaptação numa adoção”, esclarece Luciane.

A coordenadora afirma que não há tantos animais sob tutela do projeto, mas ajudam todos os que precisam. “O benefício maior é o despertar da consciência, é uma mudança de vida para todas as pessoas que experimentam. Nosso sonho é fazer um trabalho de conscientização e antecipar este despertar em outras pessoas, para que elas possam enxergar o que nós enxergamos, a presença de Deus nos animais” relembra Luciane.

Ela conta que após o resgate e todos os cuidados necessários ainda é difícil achar um lar temporário ou definitivo. “Começamos as publicações para tentar achar um lar definitivo. Todos os cães adultos são doados castrados e todos os filhotes são acompanhados até estarem aptos para a castração” explica.

Além disso, a empresária diz que a pandemia também interferiu na causa. “Ainda estamos vivendo muito abandono por conta da pandemia, mas também muitas adoções. Muitos aprenderam o significado de ter um animalzinho na sua vida, mas não sabemos como ficarão estas adoções após este período e isso nos traz grande apreensão”, Luciane.

Fonte: Diário da Manhã

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: